segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Bem Profundo – Portia da Costa

image- Ficha Técnica:

- Título Original: In Too Deep

- 255 páginas

- Sinopse: Uma das tarefas de Gwendolyne é esvaziar todos os dias a caixa de sugestões da biblioteca. Um dia, Gwen encontra uma carta direcionada a ela, e se trata de uma proposta indecente. Um homem misterioso começa a lhe mandar correspondências de perder a cabeça e fica claro que ele não quer ficar só no papo! Suas ideias são chocantes, mas excitam Gwen. Enquanto sua imaginação está a mil, ela ainda precisa lidar com o professor Daniel, que está fazendo uma pesquisa temporária na biblioteca. Um homem espetacular, em sua opinião. Gwen começa a fazer avanços sobre o professor inspirada pelas cartas picantes que recebe do admirador secreto. Personagens apaixonantes e um final surpreendente completam este erótico que tira o sono até das almas mais puras. Alguns envolvimentos vão longe demais, e não é possível escapa do que é bem profundo.

- Nota: image

Entrando na onda dos lançamentos eróticos no Brasil, a aposta da Editora Planeta para este gênero é o livro “Bem Profundo”, da autora Portia da Costa.

Antes de começar minha resenha, sempre é bom relembrar o que vem sendo motivo de polêmica para alguns desses romances. A maioria retratam situações surreais ou, em alguns casos, que poderiam até acontecer na realidade – mas que não seriam talvez tão agradáveis quanto você ler em um livro. Trata-se meramente do fetiche, do que cada um, lá no cantinho de suas mentes, fantasiam ou se sintam a vontade para ler referente ao sexo (ou apenas por curiosidade). O romance erótico é um gênero delicado, que precisa ser lido com uma mente aberta e, algumas vezes, é preciso abandonar o lado coerente e se deixar levar apenas pela fantasia. Afinal, trata-se de uma leitura com um teor bastante sexual e de gostos muito, mas muito pessoais.

Bem Profundo não é nem um pouco diferente. Antes mesmo de qualquer introdução à história, já somos levado aos caprichos sexuais de um estranho que coloca, em palavras picantes e sensuais, seu desejo obsessivo de “comer” a bibliotecária Gwen. Em cartas misteriosas, deixadas na caixa de sugestões da biblioteca onde trabalha, Gwen é levada a fantasiar com o homem que se intitula como Nêmeses, e, ainda que seu lado sensato diga que aquilo poderia ser perigoso, acaba mergulhando de cabeça nos fetiches dele.

Isso inclui coisas como se tocar quando ninguém está olhando, imaginar as cenas descritas detalhadamente nas cartas e ainda pagar punições durante o trabalho. Enquanto Gwen entra numa relação virtual (pois há também um contato por internet) com Nêmeses, ao mesmo tempo começa a se interessar cada vez mais por quem ela descreve como o “Professor Gostoso McLindo”. Ou, de um jeito mais formal, o professor Daniel Brewster; frequentador assíduo da biblioteca.

Não caro leitor, Daniel não é o novo Grey. Na realidade, viro um pouco a cara com essas comparações desnecessárias que as editoras insistem em fazer com 50 Tons de Cinza sempre que estão para lançar um romance erótico. Bem Profundo não escapou dessa, embora eu realmente ainda esteja tentando entender onde há qualquer coisa para se comparar. Então, se você escolher esse livro pensando em encontrar o próximo mocinho atormentado, vai acabar decepcionado. O livro passa longe do milionário sedutor, da mocinha ingênua, ainda que temos (um pouquinho) do tema BDSM. Além disso, (eu) acredito que 50 Tons seja mais voltado para o romance do que propriamente para o erótico em si, ao contrário de Bem Profundo. As ações, os pensamentos, as atitudes, os cenário; tudo no livro é movido pelo sexo. Em resumo, o sexo não faz parte da história, mas sim é a história. (o que torna o livro voltado para um público ainda mais restrito). A autora até tenta colocar um drama pouco depois da metade do livro, mas não convence muito, tampouco tira o foco puramente sexual da trama.

É nesses termos que temos um livro bem escrito, com cenas que não beiram ao romantismo, mas vai direto ao ponto. Um pouco disso é contribuição da própria personagem, Gwen é uma mulher tão bem resolvida sexualmente que não perde tempo com dúvidas sobre o que lhe dá ou não prazer, se deve ou não fazer. Nesse aspecto ela me agradou bastante. Seus pensamentos são espontâneos, às vezes com um toque de humor e na realidade bastante sinceros, portanto, vamos encontrar termos bem “crus”, que fogem da poesia erótica  (acostume-se a ler palavras como “pinto”, '”punheta” e outros… *vermelha*). O meu lado romântico não curte muito essa linha, mas dessa vez não me incomodei com isso. A autora soube dosar de forma a  parecer quase natural, espontâneo e não exagerado.

Os diálogos dos personagens são mínimos, deixando espaço para, digamos… a exploração de seus corpos. :D Bem Profundo é de leitura fácil, terminei em dois dias. Quando cheguei ao fim, senti que havia lido um conto erótico “agradável”, daqueles ao estilo Elloras, conhecem?  A leitura foi prazerosa e mexe com os fetiches e desejos mais profundos de uma pessoa, seja homem ou mulher. Portia da Costa mostrou que sabe como envolver o leitor em um jogo sexual bastante interessante.

O final me deixou com um pontinho de interrogação na cabeça, mais pelo que li na contracapa do livro que pela própria história em si, mas nada que a estrague. Ano que vem a Planeta promete lançar mais um livro da autora, “O Desconhecido”…

Abaixo, a capa original:

image

image

 

14 comentários:

  1. Olá Bruna,

    Não me incomodam os termos citados, gosto do texto sem suavizações, fica muito mais real, claro que prefiro o estilo de 50 Tons pois meu lado romântico fala mais alto.
    Quem sabe, em 2013 não dou uma oportunidade para "Bem Profundo", pois gostei da sua resenha.

    Até a próxima :)
    Lulu

    Comentário postado originalmente por Intense Debate

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lulu,

      Eu concordo que a tradução deve sempre manter o original da obra. Portanto, se for um texto cheio de palavras cruas, ou palavrões (ou o que seja), que fique como no original (ponto para a editora Planeta, do contrário, eles teriam matado a obra).

      Ainda assim, eu não gosto muito dessa linha (da autora), justamente pelo meu lado romântico, que fala mais alto. O bom de 50 Tons de Cinza é que a autora soube equilibrar entre os dois lados, há um pouco de "poesia erótica", mas o Grey não deixa de lado o "eu não faço amor, eu fodo... duro" hahahahaha Mesmo não curtindo, a Portia escreveu de um modo que soou mais natural, sem forçar a barra (sim, estou dando uma indireta à autora de Toda Sua :P)

      Dê uma oportunidade sim, o livro é gostoso de ler :)) Beijos :*

      Comentário postado originalmente no Intense Debate

      Excluir
  2. Uauuuuuuuuuuuu

    O que posso dizer??
    Só que quero mto ler! hahahahahahaha
    Gente, tenho um lado pervo intenso e nunca explorado #Fato
    Apesar do protagonista ser o sexo, fiquei bastante intrigada, hein Sra Britti!
    Mas entendo sua frustração, pois, compartilho da mesma ressaca after Grey. mimimimi

    Comentário postado originalmente no Intense Debate

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. puxa...ainda bem que não sou so eu que to com ressaca after Grey...ta duro ler outro romance...rsrsrsr

      Excluir
  3. Patricia Andrea Peña20 de dezembro de 2012 09:55

    Bruna, eu gostei muito deste livro, fiquei com muito calor o tempo todo kkkkk.
    As editoras só mencionam ou comparam com 50 tons porque querem chamar a atenção e vender. Bem Profundo é um livro muito bem escrito, eu dei 5 estrelinhas porque me prendeu do início ao fim e gostei do final, apesar de ser confuso ;)
    Vou continuar lendo os eróticos, sempre gostei e vai ser sempre assim, gosto de todos os tipos, seja romântico ou não hehehe
    Bjs,
    @PatriciaADavis

    Comentário postado originalmente no Intense Debate

    ResponderExcluir
  4. Bem, li esse maravilhoso livro em 1 (dois) dias de tão bom que é. Apesar da distante comparação aos 50 tons de Cinza. Mesmo as palavras "xulas" que ele contem.Para quem quer um livro hot, esse é indicado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo :) A leitura fluiu bem e também terminei ele rapidinho. É bem hot, indicado para quem gosta de cenas mais picantes mesmo ^^

      Excluir
    2. Terminei de lê-lo e achei fabuloso. Exatamente a loucura que queremos:um dominante forte, atencioso e amoroso, com sexo e mais sexo. Terminou de forma a deixar nossa imaginação fluir - diferente de 50 Tons que me decepcionou no final (me desculpem os românticos, eu também sou... mas ficou muito água com açúcar)

      Excluir
  5. Olá Bruna ,


    quando li sua resenha ,havia terminado de ler .Achei muito bom ,gostei mesmo .Já li 50 tons ,amei ,Toda sua e Profundamente Sua ,gostei mas do segundo e achei muito apelativo.Não concordo que seja melhor que 50 tons com diz na capa de Toda Sua .Deve ser pq estou impactada com a Trilogia 50 tons ainda .Mesmo assim recomendo Bem Profundo ,gostei da Portia da Costa .Vc recomenda outro livro dela ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lúcia,

      Muito obrigada! :) Eu li 50 Tons e virei fã de carteirinha, tenho resenha do segundo e terceiro aqui no blog. ;) Quanto a série Toda Sua, tentei dar uma chance, mas não gostei. :/ Tbm achei apelativo e, sendo sincera, achei uma cópia meio mau feita de 50 Tons.

      Apesar dos dois serem eróticos, acho que Bem Profundo e 50 Tons seguem estilos diferentes. Bem Profundo o foco é sexual, 50 Tons achei que o foco foi o romance e a superação do Grey. :P Mais é claro, isso vai de cada leitor, rsrs.

      Só li esse da Portia por enquanto. :)

      Beijos!

      Excluir
  6. Adorei seu post, muito bem esclarecido. Eu recomendo o livro. Também achei Bem Profunda mais interessante do que a série Toda Sua como Bruna comentou. Leiam! Garanto que não irão se arrepender, Gwen e Daniel são personagens divertidos e envolventes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada ;) Acho que de todos os livros pós 50 Tons, foi o que eu mais gostei.

      Excluir
  7. Oi, Bruna!!
    Eu vi o seu comentário no blog e fiquei intrigada depois do que disse a respeito do desfecho do livro na questão da surpresa que teríamos no final da leitura. Bem, se for relacionado a verdadeira identidade de Nêmeses, não fiquei nem um pouco surpresa na verdade. hehehehe
    Mas, vou reler para ver se penso sob uma nova perspectiva.
    Realmente, concordo que essa comparação com 50 Tons foi bem pretensiosa e não vi quase nenhuma relação com o livro da E. L. James. Gostei bastante de ambos e recomendo a leitura, como você mesma disse, para as pessoas que curtem o gênero e não se incomodam com a linguagem e abordagem encontradas. Tenho visto no Skoob comentários mordazes a respeito deste livro e penso que só fizeram isso pelo simples prazer de poder falar mal. Eu também não vejo com bons olhos esse boom na publicação de livros que tem plots parecidos com 50 Tons justamente por serem bem mais do mesmo na minha opinião. Felizmente, Bem Profundo não segue essa linha e proporcionou algo novo.
    Adorei a sua resenha!
    Bjos.

    Mariana Ribeiro
    Confissões Literárias.

    ResponderExcluir
  8. Li Bem Profundo e também gostei, mas acho que realmente ela póderia ter desenvolvido um pouco mais a trama. Tipo, falar do Stone pra quê? [atenção, spoilers à frente] Fiquei cogitando que ele talvez pudesse ser Nêmeses, para ficar algo não tão óbvio... As cartas que ela recebia do advogado do ex marido ficaram soltas na história. Também esperava que Daniel a rejeitasse quando ela chegasse em Londres, pra que ela sofresse um pouquinho (i'm bad, hihihihi), mas em momento nenhum ele a rejeita. Mas acho condizente com a postura do personagem, isso seria algo que Grey faria, não Daniel [fim dos spoilers].
    Enfim, achei o livro no geral bom, um bom exemplar de literatura erótica,bem escrito, com palavras mais baixas bem colocadas. E confesso que as profissões dos personagens sempre atiçam o nosso imaginário (qual homem nunca pensou em uma bibliotecária/biblioteca ou em fazer safadezas em uma? e que mulher nunca fantasiou com um professor? adoooro! hehehe. Pensando bem, acho que só os mais nerds, como eu, rsrsrs).
    Ah, vale lembrar que esse livro foi escrito antes da trilogia 5o Tons, em 2008 ;D (o que leva a pensar que essa temática BDSM/ homem dominador é bem frequente na literatura erótica).
    Enfim, recomendo, apesar de também preferir os água com açucar (pra mim a temática erótica poderia ser totalmente dispensável em 50 Tons).

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, de sua opinião, ela é muito importante!

- Caso tenha uma pergunta deixe seu e-mail abaixo que respondo assim que o comentário for lido.
- Se você quiser deixar seu endereço de blog ou site, comente usando a opção OpenID. Comentários com URL não serão mais aceitos.
- Caso sua mensagem não tenha relação com o post, envie sua mensagem pela opção contatos no menu do blog.
- Comentários ANÔNIMOS não serão mais aceitos. Use a opção Nome/URL